IBC Santo André





Clique para visualizar:


Confirmação
Oração Unânime
Crescer no Discipulado
Palavras e Sinais
Vamos Agir
Garantia de Salvação
Razões Para Pregar
Bem-Vindos à Mesa do Senhor
Desafio
Sal da Terra
Compromisso
Simplicidade
Gratidão
Povo Fiel
Filhos Precisam de Mães
Características da Igreja de Deus
Características da Igreja de Deus
Ser e Fazer
Vida Jovem
Mandamentos
Esperança Cristã
A Graça da Libertação
Jornada de Fé
Vivendo e Ensinando
Caminho da Adoração
Gerar e Cuidar
Igreja Grande, Desafio Grande
Pessoas Idôneas
Do Lado Certo
Vai Passar
Um Passo a Mais
Fogo Aceso
Feliz Ano Novo!
Por que 25 de dezembro?
Símbolos e Realidade
Natal com Jesus
Ilhas da Vida
Fé e Paciência
Mesa do Senhor
Prioridade: Família
Mantenha a Fé
Jesus Voltará
Fazer Discípulos
Choro Amargo
Anjo da Liberdade
Pai Nosso
A Escolta
Jesus e as Leis
Novo que se Renova
Milagres Lá Fora
Pequenas Coisas
Princípio e Fim
Princípio e Fim
Julgar
Experiência
"Luz"!
Um Roteiro de Vida
Soldado Cristão
Três Cordas
Vencedores
Diferente
Gratidão
Valorizando o Espírito Santo
Visão
Do Lado Certo
Orando a Sós
Uma forma diferente de viver
Nossa Grande Esperança
Triângulo no Pescoço
O Pão da Vida
O Convite
Chamados
Corpo do Senhor
Santidade
Sem Perda
O Desgaste
Construção
Fogo Aceso

O Exercício da Entrega

"e, tendo dado graças, o partiu e disse: Isto é o meu corpo que é entregue por vós; fazei isto em memória de mim." (I Cor. 11.24)

Assim como o pão vem às nossas mãos sem a possibilidade de exigir direitos, ou mesmo de escapar de suas funções em nosso organismo, Jesus foi entregue por nós. Como disse o profeta Isaías: "Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a sua boca." (Isaías. 53.7a). A lista de nomes daqueles discípulos que se viram entregues nas mãos de malfeitores por causa de Jesus é muito grande. Acostumados
com um tipo de cristianismo que nos encobre de direitos e de expectativas cada vez maiores para a felicidade, corremos o risco de somente viver pelo conforto da fé quando somos entregues às lutas da vida, pensando até que nossas orações não cheguem a Deus, e atribuímos toda dor ou fracassos a algum pecado que tenhamos praticado.

"Entregue", como Jesus o fez por nós, deve ser nossa vida a Ele, sem acusações, sem reservas, sem espaço para reclamar: "Ele não abriu a sua boca." (Isaías 53.7b).

Neste Culto da Ceia, façamos autoexame como se lê em I Coríntios 11.28 "Examine-se o homem a si mesmo", e entreguemos a Ele o que temos segurado, como aprendemos a cantar:

"Tudo entregarei".

Pr. Ary da Costa Cabral